quinta-feira, 2 de junho de 2011

Como os estrangeiros residentes vêem os portugueses - 4



"Acabei de tirar o Cartão do Cidadão. Poder votar em Portugal e no Brasil é uma dupla responsabilidade, sobretudo agora." Fabrício Nobre, o engenheiro carioca que viajava pela Europa quando conheceu uma portuguesa na fila do pequeno-almoço de um hotel em Londres, diz que não tem razões de queixa. Nem de Portugal nem dos portugueses. Aqui casou, aqui nasceram as suas duas filhas, uma com 3 anos, outra com 3 meses.
No país há dez anos, Fabrício começou por trabalhar por conta de outrem, até que decidiu montar o seu negócio: "Na altura podia ter ido para o desemprego, ou usar as ferramentas que o governo dava para criar o próprio emprego. Eu preferi as ferramentas." Escolheu bem. Fabrício tem uma pequena empresa de software de gestão e entre os seus clientes está uma das empresas onde trabalhou. Começou sozinho. Hoje tem dois colaboradores.
O brasileiro, que já se naturalizou português, mantendo também a nacionalidade de origem, diz que nunca teve a sorte de viver num país onde as pessoas sentissem tanto brio em trabalhar como no Japão. "Em Portugal, acho que se gasta muita energia a reclamar e pouca a produzir. Os políticos fazem mal uns aos outros, os sindicalistas organizam passeatas, o voto não é obrigatório e as pessoas, como não confiam, não se mobilizam para votar. Eu venho de um país igual ou pior, mas sonho com um melhor. E se tiver de escolher essa nação, eu quero que seja Portugal."
Até por isso, Fabrício diz que tem a preocupação de saber onde vai ser usado o dinheiro do pacote de ajuda externa. "Estou confiante. Mas independentemente de quem ganhar as próximas eleições, a troika tem de vir cá com regularidade, para controlar o uso da grana. Ou isso ou, como diz um amigo meu, entreguem a gestão disso aí ao Belmiro deAzevedo, porque o cara nunca brinca em serviço,"

Texto de Célia Rosa, Foto de Orlando Almeida/Global Imagens
Revista NS, Diário de Notícias de 28/05/2011

8 comentários:

Anónimo disse...

A troika vai controlar de fio a pavio as contas públicas portuguesas e, com mão de ferro, os gastos de todos os municípios portugueses, que ficam, a partir de agora, obrigados a prestar contas todos os meses, referiu ontem o Fundo Monetário Internacional (FMI).

A ideia é também conseguir apurar o valor do défice público global numa base mensal, algo inédito no País, mas considerado crucial para controlar eventuais derrapagens orçamentais no futuro.

Para além disso, o Governo de José Sócrates comprometeu-se com uma "redução substancial" da taxa social única (TSU) a cargo dos empregadores, quando na campanha eleitoral, e até mesmo antes de esta começar, o primeiro--ministro sempre disse que a redução teria de ser "gradual" e "apenas quando houver margem orçamental" para o fazer.

in DN

António Rebelo disse...

Para comentário das 9:55

Por enquanto e infelizmente apenas são são abrangidos os 26 municípios com mais de 100 mil habitantes. Para os outros é indispensável uma prévia alteração legislativa, a submeter à AR pelo próximo governo.

Anónimo disse...

Concoda-se. O Engª Belmiro tem mais sensibilidade social (pelas origens e pelo negócio dos supers) que este PSD liberal. O Engº Belmiro (que tem profissão) é de certeza muito mais socialista ou social democrata que Relvas, Loureiro, Isaltino, Paiva, Angelo Correia, Mello, Carrapatoso, "malta" do PSI20, e, claro, o porta voz Passos. Safa.

CARLOS ROSA disse...

DEPOIS DISSO VAMOS AO MOVIMENTO. FIM DA COLIGAÇÃO PSD/PS NA CAMARA DE TOMAR E RETIRADA DE PELOUROS A ROSÁRIO SIMÕES POR INCOMPETENCIA E A CARLOS CARRÃO

A Câmara de Tomar decidiu na reunião de hoje mandar colocar as “bonecas dos Tabuleiros” na rotunda Alves Redol conforme estava previsto inicialmente no projecto.
A proposta foi apresentada pelo vereador Luís Ferreira, do PS, e foi aprovada por unanimidade estando ausentes Rosário Simões (PSD) e Pedro Marques (Independentes por Tomar).
O autarca socialista justifica a proposta tendo em conta o movimento cívico que se gerou no facebook ao qual aderiram cerca de 2.500 pessoas.
Esse movimento defende a colocação dos elementos escultóricos alusivos à Festa dos Tabuleiros na rotunda ou, em alternativa, no novo muro junto à moagem.
Também a Comissão da Festa dos Tabuleiros enviou um ofício à Câmara a pedir a colocação das esculturas antes da festa agendada para Julho próximo.
Recorde-se que há quatro anos a Câmara aprovou suspender a colocação das referidas imagens, mas entretanto, como faziam parte da empreitada, elas foram executadas e encontram-se depositadas nos pavilhões da FAI.

Grupo “Queremos as bonecas dos Tabuleiros na Rotunda. Junta-te a nós”
http://www.facebook.com/home.php#!/home.php?sk=group_130671130343340

António Rebelo disse...

Para comentador das 14:30

Desculpar-me-á o tom. Quem me conhece sabe que no ténis político local costumo ter uns reenvios de bola bastante violentos.
Passando ao seu comentário, sou forçado a reconhecer que raramente li semelhante rol de disparates. Além de um errozito de concordância verbal, a denotar alguma insegurança no uso da língua-mãe. Adiante.
"Afirmar que Miguel Relvas é um homem seguro é não saber o que é segurança..." escreve você. Pois há aqui, no meu entender duas questões distintas: A - Nunca escrevi que Miguel Relvas é uma pessoa segura, mas sim franca, sincera e confiável, o que não é bem a mesma coisa. Faça favor de reler o meu post para se certificar. B - Quem é você para "falar" assim? Com que autoridade afirma que demonstra insegurança quem considere que Relvas é seguro? Que idade têm você? Qual a sua formação académica? E a sua experiência de vida? Já teve fome? Frio? Medo? Já esteve preso? Já foi clandestino? Já viveu e trabalhou no estrangeiro? Conhece o Mundo? Já combateu numa guerra a sério, daquelas com mortos e feridos ao seu lado?
Deixe-se de davaneios de intelectualoide e encare as coisas como elas são. Relvas não pode ajudar Tomar? E quem é que você julga que agiu no sentido de agora podermos circular no IC3 e no IC9? Foi você, querem ver?
Sobre essa da dependência e de uma instituição de caridade que tome conta do concelho, não me faça rir. Tenho cieiro nos lábios e depois fico com eles todos gretados.

Anónimo disse...

E quem é a FAVOR das portagens na A23/IP6, no IC3 e no IC9 - adivinhem, vá lá!

Não adivinharam ainda?!

Pois, precisamente o Passos, o Relvas, o PPortas, o Filipinho Ávila e outros artistas, nisto associados ao Sócrates, Paulo Campos, Coelhone da Mota Engil e mais artistas!!!

Tudo malta cheia de pasta, tudo a favor do utilizador/pagador (pudera têm a portagem de borla!!!) tudo farinha do mesmo saco!!!

Tudo amigalhaços do Rebelusco!!!!!!

Anónimo disse...

Vamos lá a ver se percebi bem o seu último escrito Rebelo...
Você escreveu implicitamente que foi Relvas que nos trouxe o IC3 e o IC9, foi isso ?!!!

Ó homem, eu não sei o que é pior, se isso é ignorância, se é mentira descarada por via da tua nova paixão!

Anónimo disse...

Óh Rebelo,

Esqueceste-te de dizer que foi o Relvas que mandou construir o Castelo dos Templários eo Convento de Cristo.

Aconteceu foi noutras reencarnações...

A provecta idade já te vai atraiçoando a memória.

A gente compreende...