domingo, 15 de maio de 2011

SOBRE O BARÓMETRO POLÍTICO NABANTINO


Presumo que quem se interessa por estas coisas já desconfiava certamente, mas a confirmação aqui está. Os resultados dos inquéritos de Tomar a dianteira demonstram, entre outras coisas e no meu entender, a difícil convivência política (pelo menos) dos tomarenses com os seus concidadãos. Num inquérito só com nomes de hipotéticos candidatos, apenas responderam 108 leitores, contra 133 na indagação só com siglas de formações políticas.
Outro dado importante é o excelente resultado da sigla CDU, que consegue ultrapassar o seu cabeça de lista das últimas autárquicas. Em contrapartida, o resultado obtido pelo PSD é superior aos dos três nomes em geral conotados com a social-democracia local (Carrão, Delgado, Ivo). 
Destaque pela negativa para a sigla PS, que apenas obteve metade mais um dos votos conseguidos pelos seus parceiros na coligação local. Quanto a mim, mau prenúncio par a consulta eleitoral de 5 de Junho, uma vez que os três nomes socialistas do inquérito anterior  somam  35, dois mais que o PSD.
Isto é muito bem capaz de indicar que os cidadãos eleitores com acesso à net preferem as dúvidas de PP Coelho e seus apoiantes, às certezas de Sócrates e ao insólito resultado da eleição do secretário-geral do PS. Os tempos são de indagação, de busca de soluções, de consensos, de limar arestas. Não de certezas, de estilo galaró, de ter sempre razão, de não haver outra via, de ser insubstituível...
Se bem me lembro, até foi o actual inquilino de Belém que em tempos proclamou -"Nunca me engano e raras vezes tenho dúvidas!" A sentença caiu muito mal na altura, vindo a ter consequências menos agradáveis para o seu autor. Quem houvera de dizer então que décadas mais tarde um líder socialista se obstinaria em demonstrar  aos eleitores que nunca se engana e tem sempre razão?
Será por mero acaso que, ao contrário do PSOE ou do PCF, nos quais a ampla e livre discussão, a salutar divergência e respeito pelos direitos das minorias são a regra, o PS de Sócrates está cada vez mais monolítico? Ou têm razão os que em Paris fazem chacota em privado com o novo "socialismo invertebrado" de um PS que elegeu quase por unanimidade um líder que a troika disse ser intratável? Entre o pensamento único e o totalitarismo, o caminho não é muito longo. Seja qual for a sigla partidária.
E quanto a candidatos e siglas locais, agora só em Agosto. Entretanto já pode indicar, se assim o entender, qual a sua opção para a próxima consulta eleitoral, em 5 de Junho. Basta ir ao ângulo superior direito do seu ecrã e clicar onde lhe parecer melhor. Bem haja pela sua participação!

4 comentários:

Anónimo disse...

António. Você doidô de vez não?
Não percebe que estas contagens não fazem qualquer sentido?
Ivo do PSD?
A CDU representativa do que quer que seja em Tomar?
O Cristóvão, o Carrão ou o Ferreira candidatos à Câmara?
Está visto que não percebeu ainda nada do que se passa.

Anónimo disse...

Dr. Rebelo,

Mal empregado tempo que andou a romper os fundilhos nos bancos de uma universidade.

É lamentável,chega a ser repugnante,que se preste a um exercício de manipulação primária dos resultados de uma amostra cientifícamente inválida.

Que um indivíduo semi-analfabeto se prestasse a isso já era reprovável,mas.....

Agora um "DOUTOURÃO" como você...

A cegueira e a ambição doentia estão a fazê-lo descer às catacumbas da politiquice.

Que tristeza !!!!!!!!!!!

António Rebelo disse...

Para os dois comentários anteriores:

Presunção e água benta, cada qual toma a que quer. Quem escreveu que os inquéritos eram sondagens? Quem afirmou que faziam sentido? Quem disse que a amostra era cientificamente válida?
Repugnante porquê? Já não há liberdade de opinião neste país? Que exercício de manipulação? Os dados não estão à vista de todos? A origem não é conhecida?
Sobre estudos universitários, é melhor ficarmos por aqui.
Afirmações como as vossas só teriam qualquer interesse ou importância se devidamente apoiadas em factos aduzidos e, naturalmente, identificadas. Assim entram no domínio das pintelhices nabantinas, escritas com o único intuito de tentar molestar-me, o que não conseguem de forma alguma.
Cordialmente,

A.R.

Anónimo disse...

Pronto! Ofenderam o "bijou"...