quarta-feira, 10 de abril de 2013

Achistas...

Outro grande problema tomarense -além do fulanismo- é o achismo. Cidadãos com todo o aspecto de pessoas respeitáveis e capazes, que contudo não pensam, não raciocinam nem ponderam. Acham que. O que é notoriamente mais fácil, mas em geral muito enganador. No caso do escrito anterior, ao que parece, acham que o executivo fez bem ao deliberar doar ao CIRE a totalidade da receita do próximo Congresso da Sopa. Perguntados sobre a fundamentação de semelhante posição foram breves -"Porque o CIRE precisa muito!"
Há nesta justificação infantil pelo menos duas vertentes. A primeira do lado da autarquia, a outra do lado dos eleitores concelhios. No que concerne àquela, para se ter uma ideia da enormidade do erro cometido, basta atentar no procedimento de uma outra entidade. Também solicitada pelo CIRE, a EDP, cujo LUCRO ANUAL é bem superior ao ORÇAMENTO TOTAL da câmara de Tomar, decidiu doar mil e quinhentos euros à dita instituição de solidariedade social. Soma que posteriormente constará como despesa, acrescida de 50%, para efeitos de IRC, nos termos da lei do mecenato cultural e social em vigor, operação que o Munícípio está impedido de fazer. Será por isso que o cidadão MEXIA, PDG da EDP, arrecada 3,5 milhões de euros anuais, enquanto o presidente Carrão apenas embolsa cerca de 50 mil euros + umas mordomias? É bem capaz de ser uma das muitas razões.
A outra vertente, a dos eleitores concelhios, tem a ver com o evidente e cada vez mais acentuado descalabro da economia local, e consequente tragédia social. Os senhores achistas não acham que é urgente achar maneira de achar e eleger candidatos que achem que precisamos de bom senso, de coragem, de poupança e de muito trabalho, de forma a achar de novo o caminho do sucesso?
Termino achando que a EDP doou apenas mil e quinhentos euros porque não precisa de comprar votos nas eleições de Outubro. Comprou-os em bom tempo, como bem deve saber o da "pentelhice"...

3 comentários:

templario disse...

DE: Cantoneiro da Borda da Estrada

Dr. Rebelo, não me parece assim tão mal essa doação ao Cire. A questão está em saber se estão a cumprir bem ou mal os objetivos da sua actividade - actividade que é da competência de uma autarquia, que, no caso, a delega numa associação civil. Nos tempos que correm essa doação faz sentido.

Julgava que o Presidente da CMT auferia rendimentos inferiores. Mais de 50 000 euros anuais é quase um maná do céu. É por essas e por outras que a política portuguesa está como está...

tomarense d disse...

50 mil euros, não!
Os rendimentos mensais dos membros do municipio são:

-Presidente- 3104.07 de venc. + 931.22 de desp. de representação, depois há que subtrair os descontos legais;
Vereadores a tempo inteiro: 2483.26 + 496.65 respectivamente;

SENHAS DE PRESENÇA:
vereadores: 62.08
Presidente Ass. Municipal: 93.12
Secretario Assemb. Municipal: 77.60
Restantes membros: 62.08

António Rebelo disse...

Se ainda sei fazer contas, 3104,07 x 13 = 40.352,91 + 931,22 x 12 = 11.174,64 = 51.527,55. Ou estou a ver mal?
Quanto a descontos obrigatórios, comemos todos dessa mesma sopa.
Concluindo: Carlos Carrão embolsa mesmo mais de 50 mil euros anuais. Só não acrescentei brutos, dado tratar-se de vocábulo de largo espectro semântico...