segunda-feira, 27 de maio de 2013

IMAGENS DA FESTA TEMPLÁRIA : Mais um sucesso...

A primeira edição da Festa Templária foi um retumbante sucesso. Nem podia ser de outra maneira. Estamos numa terra abençoada em que, memo para alcançar a Paraíso, não é necessário confessar-se, nem ir à missa, nem comungar. Basta procurar na rua principal. Logo ali, atrás da igreja.
Ciente de tal situação de nítida excepção, procurei retratar o tal sucesso retumbante. Não pelo prazer de criticar, mas apenas visando a esperança de na próxima, caso haja, as coisas já terem melhorado.


Mesmo com dinheiros de Bruxelas, via QREN > ADIRN, não sei se terá sido boa ideia fazer a festa nesta altura, quando o único acesso ao Convento para quem chega de autocarro é este. Em todo o caso, eu nunca ousaria organizar uma festa em minha casa, com o acesso à sala de visitas em obras.

No Mouchão havia muito para cismar. Como por exemplo este ar de improviso. Porque não escolheram antes o jardim da Várzea Pequena? Uma vez que as entradas não eram pagas, não se vê qual tenha sido a vantagem.

Pelo aspecto, esta carrinha, pertencente a quem explora a estalagem, deve estar aqui estacionada desde  primeiro festival da sopa. Para quê?

 Parque Municipal do Mouchão: jardim, espaço verde, ou parque de estacionamento gratuito?

Mobíliário templário de fino gosto, talvez dos finais do século XIII...Pobre terra, pobre gente, pobre relva!
Um aspecto da magnífica arrumação das barracas. Há muito espaço para os visitantes/clientes circularem sem danificar a relva. Que estará recuperada dentro de quantos meses? E quanto vai custar aos mesmos do costume?

 No primeiro plano, magnífica mesa ornamentada com plástico templário. No segundo plano a coitada da relva, cada vez mais careca e sem culpa nenhuma, apesar de tanta tortura.

 Aspecto da entrada, como se vê muito desafogada, no caso de haver necessidade de evacuar o local com urgência
 Outro aspecto da relva, que desta vez até serviu para instalar mesas e cadeiras. Quem vier a seguir que se lixe. Pagam os mesmos do costume...

 Já que insistiram com os comerciantes que deviam vestir-se de templários, não custava nada acrescentar que a cruz templária tomarense é redonda e não quadrada. Valeu?

E cá temos o culpado de tudo isto -o nosso Gualdim Pais, pai de Tomar. Em posição de fogo, como sempre, mas aqui com antenas de televisão, pombo correio e os pés atados. E vá lá, vá lá! Os nossos queridos autarcas não têm só os pés atados. São mesmo uns atados. Digo eu...
Siga o enterro!!!

3 comentários:

FUNICULIN disse...

Festa Templária? Não seria uma Feira de Artesanato com classificação morfossintática encapotada com pseudo vestes templárias?

templario disse...

DE: Cantoneiro da Borda da Estrada

Pobre relva... Pobre tudo....

Coitadinha da nossa cidade!

As imagens dizem tudo.

A ideia de desmazelo e de improviso fica patente.



Mirão disse...

Bom dia. Penso que esta era uma Festa Templária e não uma Feira Templária/Medieval. Foi desenhada para o povo e com a contribuição do mesmo. Todas, a nivel nacional começaram assim, com coisas mal e bem feitas. De certo que, para o ano, os responsáveis alterarão o que achem necessário. Nota que talvez a culpa da relva estar como está talvez não tenha sido da organização, e talvez de quem seja sempre os mesmos a pagar!
Fica o apontamento