sábado, 31 de março de 2012

GROTESCO E GRAVE

A Comissão Nacional do PS aprovou hoje os novos estatutos do partido. Neles se estabelece que os candidatos a presidente de câmara e a deputado passam a ser escolhidos por voto directo e secreto de todos os filiados. É mais um passo a caminho da nova realidade europeia, onde as chamadas eleições primárias para designação dos candidatos até já são abertas a todos os eleitores, independentemente de estarem ou não inscritos numa formação política. Uma boa notícia portanto, para todos os que ambicionam o melhor para a sua terra e para o seu país.
Infelizmente, como de resto já vem sendo habitual, nesta mesma semana, alguns acontecimentos tomarenses demonstram que muitos eleitos locais continuam virados para o passado, agindo deliberadamente ao arrepio do progresso e da legalidade democrática.
A Misericórdia de Tomar, que até ostenta o título de "Santa Casa", ignorando as mais elementares regras do Estado de Direito, apesar de avisada, prosseguiu com a sua cruzada anti-irmão Sérgio Martins. Graças à ignorância crassa da maioria dos irmãos, para mais condicionados pelo facto de serem salariados da instituição, conseguiu aprovar um procedimento disciplinar contra aquele irmão, tendo em vista a sua exclusão. Por ser desonesto? Incompetente? Cúpido? Não! Apenas por delito de opinião. Em total contradição com o disposto na Constituição da República e demais legislação em vigor.
Trata-se de uma instituição privada, alegarão alguns beatos, em defesa do seu irmão-provedor. Pois trata. Mas que recebe substanciais subvenções do governo, pagas graças aos impostos de todos nós. Está por conseguinte sujeita ao escrutínio do eleitorado, bem como ao império da Lei, que a todos obriga por igual. E não pode alegar ignorância para daí sacar benefícios, como tenta fazer ao aprovar que doravante as actas deixarão de ser lidas perante a irmandade, segundo informação de fonte credível.
Também esta semana, na reunião da autarquia, voltou a ser debatida a questão da alegada corrupção em matéria de licenças de construção. Membros do mesmo partido há longos anos, tanto o provedor da dita Santa Casa (que é igualmente vice-presidente da Assembleia Municipal, o que lhe devia inculcar mais respeito pelas leis do país, sob pena de envergonhar os seus pares), como o presidente Carlos Carrão denotam acentuada alergia à legalidade democrática em que vivem. Perante a reiterada denúncia de corrupção, feita presencialmente por um munícipe, o autarca laranja limitou-se responder que quem acusa assume a responsabilidade daquilo que diz. Inquérito interno? Suspensão do ou dos funcionários apontados? Pedido de elementos adicionais? Para quê?! Só dá chatices, pensará o senhor alcaide, do alto dos seus 15 anos de exercício do poder. Ou da sua suposta omnipotência?
Dias mais tarde, o mesmo autarca não revela todavia qualquer rebuço em publicamente acusar o governo, de forma velada, de pretender paralisar as autarquias com a nova Lei dos Compromissos. Como se as autarquias em geral fossem extraordinárias montras de virtudes, democráticas ou nem tanto. Há gente que se tivesse tanta capacidade de estruturar e implementar projectos, como revela ter em matéria de lata, estaríamos agora de certeza em bem melhor situação económica. Mas quê; quem não se enxerga, julga que todo o mundo é seu, que está acima da Lei e que tudo lhe é permitido. 
Por isso estamos como estamos.
Para mais informação sobre todas estas tristezas, clicar aqui, aqui e aqui.

7 comentários:

jccorreia disse...

Caro Professor
O caso da eventual corrupção camarária tem a obrigação de estar resolvido logo que o Ministério Publico convoque a inacreditável Dona Rosa para concretizar no local certo o que disse num programa de rádio. A menos que se tenha tratado de uma patetice irresponsável e,nesse caso,alguém tem de explicar de forma assertiva à aprendiz de política que não se brinca com coisas sérias e que parece já ter idade suficiente para ter juizo.Bossalidades do tipo são dispensáveis neste desgraçado concelho !

António Rebelo disse...

Claro que o MP deve ouvir quanto antes a Dª Rosa. Ainda assim, o que me parece muito estranho e assaz significativo é o pelo menos tortuoso comportamento do trio presidencial. O cidadão João Sousa insiste em esclarecer os eleitos, mas inexplicavelmente (ou talvez não...) ninguém o quer ouvir de forma mais detalhada. Porquê? O homem padece de alguma moléstia contagiosa?

jccorreia disse...

Caro Professor
Como sabe melhor que eu, em qualquer país civilizado o cidadão João Sousa,a senhora do PSD(?) e a substituta da Anabela, uma tal Joana que me pareceu,no meio da "algarviada" do programa de rádio ,ter percebido que passou pela Câmara ,não sei em que funções, já teriam dado com os costados no Ministério Público para ,a bem do regular e honesto funcionamento das instituições ,darem o seu contributo como cidadãos responsáveis e impolutos.A menos que sejam apenas uns passarinhos maldizentes e irresponsáveis ,como já temos visto por aqui
Aguardemos!

alexandre leal disse...

Não percebo grande coisa destes meandros da justiça e da politica (ao contrário daquelas senhoras que filosofam sobre tudo às sextas feiras,verdadeiras enciclopédias errantes) mas parece-me que em 7 vereadores, 4 terão força para exigir ao executivo que participe o ocorrido ao Ministério Público. E não estou a ver como recusar.
A menos que ninguém queira,principalmente quem já por lá andou muitos anos.

Uns brincalhões ,em suma.


E aquela da nota sobre a eventual saída do Tribunal de Trabalho foi uma engraçada banalidade já habitual no Dr. P.Marques.Toda a gente sabia, bastando apenas ler o Correio da Manhã.Assim ,os seus prosélitos,acham mesmo que o grande líder é um astuto criador de casos politicos.

À semelhança do perene vulto chamarei a atenção para o facto de o próximo dia 8 ser Domingo de Páscoa!

Um abraço .

Luis Ferreira disse...

Digníssimos bloguers António Rebelo e Correia Leal

O Sr. foi ouvido com atenção e a vereação já havia sido informada que as suas primeiras declarações haviam seguido para o Ministério Publico, para eventual investigação. A eles caberá fazer a investigação que se impõe nestes casos, naturalmente.

Quanto às declarações da porta voz do PPD local no programa da Hertz, são da sua inteira responsabilidade e do grupo político que lhe dá o "estatuto" para publicamente falar em seu nome. Ou seja se "eles" sabem que há corrupção e durante 15 anos nada fizeram, são absolutamente coniventes e o povo em 2013 quando votar não se deve esquecer dessa actuação do PPD local.

Quanto à porta voz do meu partido ela foi a "alma" da vereação socialista na gestão do urbanismo, uma vez que era a nomeada secretária do meu colega Vitorino. É ainda autarca eleita e em funções na Assembleia de Freguesia de S.João Batista, a terminar o Mestrado em Turismo Cultural e membro da direção local do PS.

Tanto quanto percebi a Dra.Joana Nunes, informou o auditório, a propósito destas matérias que a ação dos socialistas, foi atuar de forma a tentar "prevenir" as suspeitas sobre eventuais acusações de favorecimentos na fiscalização, fazendo-os rodar entre as Freguesias. Tratou-se de uma ação preventiva, coreta, honesta e dentro dos mais elevados padrões de actuação ética com que procurámos pontuar a nossa actuação.

Penso que assim estamos um pouco mais esclarecidos todos, do que se fez e do que não se fez durante anos neste setor. Convém não esquecer que dura te anos aquele setor esteve sob a liderança "eficaz" e "decidida" daquele senhor que o PPD nos ofereceu durante 3 anos como Presidente de Càmara e que além de tudo era um mentiroso compulsivo (Mercado, financiamento para o Flecheiro, Propriedade da EN110 para as obras, silhuetas na Rotunda, concurso paaqui Convento Sta Iria, alteração do financiamento às Associações e Freguesias, acordo com a ParqueT, Alambor e carrinha de subsistência junto às obras), que saiu pela porta pequena da política local, não que a culpa fosse dele, mas naturalmente de tão impreparado partido que há 15 anos destrói Tomar.

Com os meus melhores cumprimentos

alexandre leal disse...

Meu Caro Vereador Luis Ferreira

Esperava um pouco mais de "distanciamento" e fair-play das duas incontestáveis capacidades!
Não me vou alongar e tomo boa nota do seu escrito, nomeadamente no que aos elogios ,e respectivos fundamentos ,à futura Mestre em turismo cultural entende proferir.

Apenas dizer-lhe que não me parece muito consentâneo com um padrão de honestidade intelectual aceitável atacar 15 anos de PSD ,com altos e baixos,melhores e mais fracos Presidentes, etc e esquecer 10 anos anteriores, a todos os títulos lamentáveis de um independente que, salvo erro, concorreu pelo PS.E que aliás o meu Amigo (já sabemos que por unanimidade!) impediu de se candidatar uma terceira vez.
A democracia é assim mesmo.
E já agora: se chama mentiroso compulsivo a um dos Presidentes anteriores do PSD,empregando linguagem excessiva que pensava não fazer parte da sua "bagagem" , como classifica o tal independente anterior que, se bem me lembro,vos deu 2 mandatos?

E, embora reconheça não vir a propósito.com que adjectivos vernáculos mimoseia o último 1º Ministro do seu partido?Mentiroso compulsivo será pouco...

Sr. Vereador sei que não precisa de outras opiniões mas deixe-me dizer-lhe que um politico no seu "plano" e com as suas evidentes e legitimas ambições, só ganha com maior tolerância e alheamento em questões menores( adequadas às jovens promessas).
Quem tem telhados de vidro em tão mau estado(embora sem culpa própria de monta)tem de ter cuidado com as "calhoadas" que manda para o ar ou com que pretende atingir os amigos,mesmo que alguns sejam adversários politicos.

Um abraço.

Luis Ferreira disse...

Estimado Dr. Correia Leal

Compreendo a sua posição e a critica, justa que faz a anteriores dirigentes que exerceram o poder em Tomar ou em Lisboa. Há no entanto um equivoco na sua avaliação comparada com os atuais inquilinos da gestão de Tomar, que é da responsabilidade do PPD. É que todos os anterior de que falou já pagaram os seus partidos o "preço" que a democracia impõe: a derrota eleitoral. Recordo que em 1997 o PS perdeu as eleições para a Camara de Tomar: pagou o preço da sua gestão de Pedro Marques! Recordo que em Junho de 2011 o PS perdeu as eleições para a Asemeia da Republica: pagou o preço da gestão de José Sócrates.

O problema que eu levanto é que ESTE PPD não pagou ainda em Tomar o preço da sua gestão exercida pelos protagonistas Paiva, Corelo e Carrão. E em democracia só se paga de uma forma: em eleições e com uma derrota.

Quanto à "linguagem" directa e dura, ela é apenas verdadeira e a verdade dói, não pelas palavras usadas, mas porque é verdade. Mas se for mentira o que escrevi, faça o favor de me corrigir. Para ajuda recordo o que escrevi:

"Penso que assim estamos um pouco mais esclarecidos todos, do que se fez e do que não se fez durante anos neste setor. Convém não esquecer que durante anos aquele setor esteve sob a liderança "eficaz" e "decidida" daquele senhor que o PPD nos ofereceu durante 3 anos como Presidente de Câmara e que além de tudo era um mentiroso compulsivo (Mercado, financiamento para o Flecheiro, Propriedade da EN110 para as obras, silhuetas na Rotunda, concurso paaqui Convento Sta Iria, alteração do financiamento às Associações e Freguesias, acordo com a ParqueT, Alambor e carrinha de subsistência junto às obras), que saiu pela porta pequena da política local, não que a culpa fosse dele, mas naturalmente de tão impreparado partido que há 15 anos destrói Tomar."