segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Cada vez melhor

Correio da Manhã, 04/1172012

Aumenta de ano para ano o fosso entre os partidos e os cidadãos, bem como entre estes e a política. Em Tomar essa tendência é evidente. A cada consulta eleitoral, a abstenção situa-se entre os 40 e os 50%, com alguns picos da ordem dos 55%. Consciente desse facto, há três anos o PS local procurou incentivar a candidatura de independentes, numa eleição interna para escolher o cabeça de lista do partido. Bastou então manifestar a intenção de a disputar e conseguir três apoios = 10% do corpo eleitoral = Comissão Política.
Aproveitei o ensejo, apesar de prevenido de que a escolha já estava preparada, como de resto se veio a verificar. Ainda assim, consegui 6 votos em 30 possíveis = 20%. Nada mau para um intruso, tanto mais que os três outros candidatos a candidato eram militantes socialistas, tendo obtido respectivamente José Vitorino 18, Zeca Pereira 2, Mourão 1. Vencido e convencido, prometi então que não me calaria, o que julgo ter vindo a cumprir.
Um conhecido provérbio (de origem árabe ao que dizem) aconselha: "Dá tempo ao tempo, irmão; o tempo dar-te-à todas as respostas." Três anos volvidos, ela aí está: A escolha de José Vitorino não terá sido um grande êxito, para não usar outros termos, susceptíveis de ferir susceptibilidades à flor da pele. Em qualquer caso, previdente, a actual direcção do PS nacional, segundo alguns comentadores "puro produto da mediocridade partidária", já fez o necessário para evitar tanto quanto possível a repetição por esse país fora da eleição primária tomarense de 2009. 
Nos termos da nova regulamentação em vigor, os socialistas tomarenses vão escolher no próximo dia 24 o futuro cabeça de lista do PS para as autárquicas de Outubro 2013. Podem apresentar a sua candidatura três categorias de pretendentes, a saber: 1 - Apadrinhados pela Comissão Política Nacional; 2 - Afilhados da Comissão Política Distrital; 3 - Espontâneos que consigam reunir cumulativamente o apoio de 10% dos eleitos PS + 10% dos filiados socialistas + 10% dos membros da Comissão Política. Com tantas facilidades, permitam-me os dirigentes rosa uma sugestão, sob forma interrogativa: Porque não acrescentar a obrigatoriedade do visto do juiz da comarca e a bênção do senhor vigário geral de Tomar? Ficaria muito mais pomposo...e católico.
E depois ainda há quem se admire que cada vez mais cidadãos se estejam nas tintas para a política. Com regulamentações destas, não seria melhor dizer "Não queremos cá intrusos!", logo a abrir? Poupava-se tempo e paciência. Fica a sugestão.

3 comentários:

tomarense d disse...

Não se esqueçam caros senhores e senhoras de ir votar.
Existem várias soluções:
PS
PSD
CDU
CDS
INDEPENDENTES
ABSTENÇÃO
VOTO NULO

Eu por mim, está decidido:
VOTO NULO

-Está mais que provado que nenhuma das formações politicas está minimamente preocupada com Tomar, mas sim com os seus interesses pessoais e partidários

simon disse...

Boa noite. Ainda tenho a esperança de que há casos em que o que conta são os cidadãos e não o interesse partidário. Se o concelho se afundar os políticos também se "afogam". A verdade é que a população no seu geral também não ajuda muito dado que permanece em estado letárgico. Se fosse mais activa a manifestar os seus desejos, preocupações e porque não, as suas exigências, talvez os políticos tivessem mais respeito e, porque não, algum "receio" dos seus conterrâneos. No entanto, esta situação é, no geral, idêntica a dezenas de outras por este País fora. Acordai, acordemos para sermos mais activos. Muito obrigado e boa noite.

Alfredo Guedes disse...

Eu, por mim, já decidi. Voto na ABSTENÇÃO