sábado, 25 de agosto de 2012

O CANCRO NABANTINO

Virgílio Alves apresentou nestas colunas, na passado dia 21, cinco vectores programáticos para o próximo mandato autárquico, que foram já muito saudados por leitores de Tomar a dianteira, entre os quais me incluo. Esses vectores são os seguintes: 1 - Apoio à educação; 2 - Reindustrialização do concelho; 3 - Incremento do vector turístico; 4 - Valorização do centro histórico; 5 - Saneamento das contas públicas.
Após leitura mais atenta, concluí que o conterrâneo Virgílio, quiçá sem disso se dar conta, foi variando a argumentação de item para item. Nuns casos explicita o como, noutros o para quê, noutros ainda o porquê, sem contudo ir ao fundo da questão. Conviria por isso, para melhor estruturar o seu trabalho, de modo a torná-o de leitura mais agradável e assim mais eficaz, que indicasse em relação a cada proposta toda a fundamentação possível: porquê? onde? como? quando? com quem? para quê? com que recursos materiais e humanos?
Feito isso, julgo que seria então altura de reescrever tudo, dando-lhe forma mais atractiva e incluindo já uma descrição sucinta mas completa do actual estado das coisas no pântano tomarense. Na minha opinião, o ponto cinco é a condicionante de todos os outros, pelo que deveria passar a  número 1 e ser objecto de cuidada e minuciosa descrição, englobando causas longínquas e próximas, medidas propostas e sua calendarização, objectivos visados, recursos necessários e respectiva data provável de consecução.
Lançado este repto a Virgílio Alves, há que indicar, parece-me, uma eventual moldura de trabalho, susceptível de caracterizar de forma percutante a triste situação em que agora nos encontramos, a qual tenderá a agravar-se singularmente no próximo ano. Numa frase demasiado brutal e agressiva, mas que tem a virtude de retratar exactamente o passado e o presente, ouso avançar que o problema tomarense é oncológico, sendo o município desde há pelo menos vinte anos um volumoso carcinoma com cada vez mais metástases. Tudo em sentido figurado, já se vê.
Perante tal maleita em tal estado de desenvolvimento e com os sintomas que todos bem conhecemos, temos duas principais linhas de actuação, isoladamente ou em simultâneo -cuidados curativos e cuidados paliativos. Aqueles, tendo em vista tentar erradicar os vários tumores, na totalidade ou em parte, consoante as possibilidades. Estes, com o único fito de tornar menos dolorosos os diversos sintomas da patologia antes indicada, bem como o post-operatório. Caberá agora a cada paciente e em primeiro lugar, se assim o entender, a Virgílio Alves enquanto líder do processo, descrever as acções que propõe, calendarizá-las, fundamentá-las e explicitar os recursos necessários.
Desejo-lhe coragem e boa sorte!

3 comentários:

João Pedro Escudeiro Alcobia disse...

Eu sei que sou muito jovem, e certo que tenho apenas 20 anos, mas como?. Vamos na nossa cidade, dar saude, educacao, incentivar agora grandes empresarios a investir em tomar, nos estamos na falencia. Senhor professor, hoje nao dependo de ninguem, nem dos meus pais, hoje sou um homem livre, a vida que tenho em londres deveu se a mim e a mais ninguem. Desemvolvi uma depressao, muito gracas, ao entao olhar tomar, e certo que todos me discriminaram, salvo raras excepcoes, disseram era maluco, sejamos sinceros, eu nao estava bem criaram me o medo, aos 18 anos, deixei a minha familia, a minha tinha se tentado suicidar a pouco tempo, o meu pai seguiu a sua vida, foi mais uma das vitimas do encerramento de empresas na zona industrial. Eu nasci em 92 em tomar, quando foi naquele dia enfrentar o executivo, foi para tentar mudar tomar, nao consegui e certo. Mas sei que que nesse dia, so um elemento do executivo esteve a meu lado verdadeiramente, e uma mulher que nunca a tinha visto antes. Espero que ela seja " a politica da nova geracao', nao quer protagonismo. Palavras para que? Toda gente sabe. So nao quem e parvo, deixem os destinos nas maos de quem sabe muito... Livre no pensamento, joao alcobia, tomar sempre hoje e a manha. Estou para ajudarem no que precisarem, obrigado professor e a dr graca costa. Vai demorar algum tempo para voltar, mas continue a escrever no blog, ja visto que e das poucas em tomar que nao e objecto de censura, para pelo menos ler a verdade... Professor nao perca saude e coragem de lutar. Desejo a melhor saude e que viva muitos anos, faca por favor, pelo menos ate os tratamentos acabarem, por enquanto a hospitalizacao acabou felizmente. Dei me a voz por favor e deixe o comentario ficar a vista de toda, nao tenho medo. Nunca mais o medo vai levar a tentar por fim a propria vida... E isto nao e brincadeira, espero quem ler isto esteja bem, eu nao parvo, tentaram me fazer de parvo...

António Rebelo disse...

Obrigado João pelo seu comentário. Por favor, continue a escrever e a publicar em Tomar a Dianteira.
Desejo-lhe tudo de bom e que volte a Tomar só quando o desejar.

Um abraço fraterno,

António Rebelo

Virgilio Alves disse...

Sr. Rebelo, quando publiquei esses pontos, claro, em comentário aqui, foram fruto de uma visão que tenho, já há alguns meses havia publicado algo do género, mas, carece de organização, esses 5 pontos foram escritos da forma que me vieram ao pensamento no momento, mas espelham as áreas ou parte delas que necessitam de serem repensadas estrategicamente (por exemplo, não tive ainda oportunidade de escrever o que penso para as área rurais e outros aspectos do município).

Tendo em vista o feedback dado pelos leitores aqui neste seu blogue, tentarei nos próximos dias, fazer nova redacção mais cuidada (relembro que essa foi na hora).

Entretanto, claro estarei atento aos comentários das pessoas aqui e noutros espaços.

Termino, dizendo que, a boa prossecução do trabalho tendo em vista um futuro melhor, depende sempre, da vontade e acima de tudo da capacidade dos munícipes de intervirem e fazer valer a sua vontade no seu conjunto.

Cumps.