sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Sondagens de Tomar a dianteira

Sucesso dos Independentes por Tomar


As cifras finais aí estão, que não permitem interpretações equívocas. Esta terceira sondagem monopartidária alcançou um assinalável êxito, com 733 votos, graças à extraordinária capacidade de mobilização revelada pelos partidários da formação política liderada por Pedro Marques. Recorde-se que o PS apenas conseguiu 217 votos e o PSD 623. Outro dado significativo é o baixo número de votantes indecisos, com "Outros"  a ficar-se pelos 86 sufrágios = 11%, contra respectivamente 35% para os socialistas e 29% para os social-democratas.
Outro aspecto a destacar é a elevada percentagem alcançada por Pedro Marques ( 345 votos = 47%), o que se pode explicar pelo facto de se tratar de uma formação exclusivamente local e liderada pelo seu fundador. Constitui mesmo assim um excelente indicador da popularidade do ex-presidente de câmara, em termos de "ser conhecido no concelho". Deve-se no entanto ter em conta que ser conhecido pode não ser tudo nem sequer o principal. Tudo depende dos motivos que estão na base desse conhecimento. Basta atentar no inesperado resultado de José Soares (150 votos = 20%), um dissidente dos IpT, cujas relações com Pedro Marques já conheceram melhores dias, pelo que a referida votação pode também representar um velado protesto anti-Pedro Marques.
Com metade dos votos de José Soares, Graça Costa conseguiu ainda assim um resultado que não deslustra, antes pelo contrário. Sobretudo quando se tem em conta que grandes nomes da política local, como Rosa Dias, João Simões e José Vasconcelos se ficaram por magras duas dezenas de votos.
Uma nota final sobre a fiabilidade destas sondagens. Trata-se, como já aqui foi referido anteriormente, de auscultações ao leitorado de Tomar a dianteira, uma parte importante do qual é composta por cidadãos que vivem e votam noutros concelhos e até noutros países. Convém ter sempre presente este dado. Da mesma forma, sendo certo que cada utilizador apenas pode votar uma vez com o mesmo DNS, nada impede as campanhas a favor deste ou daquele candidato, desta ou daquela formação. A audiência diária normal de Tomar a dianteira  tem sido de 450/500 visitantes, mas durante esta sondagem variou entre um máximo de 881, no dia 11 e 680 ontem, com bastantes frequentadores de fora do concelho.
Esta terceira sondagem monocolor é a última com tais características. A próxima será global e terá por título O tira-teimas final. Até lá!

6 comentários:

Por Tomar disse...

Como prometido cá estou a dar a minha resposta à pergunta que ficou no ar. Na minha modesta opinião cá vai o meu comentário a esta e outras sondagens que por aqui passaram: Concordo plenamente na tua analise final a esta votação, mas penso que te estas a esquecer de um grande pormenor e explico:-O PS teve 217 votos, talvez por ter sido a primeira força a escrutínio mas também pela lista que foi apresentada pelos candidatos. Eu disse e reafirmo o PS com o Luís Ferreira na lista não tem o mínimo de hipótese e está provado pela fraca votação. Seguiu a do PSD, outra votação em massa, mas vendo bem os votos temos a vereadora Rosário a liderar com o "OUTRO", um aviso de que não querem a continuidade de pessoas que prejudicaram o Município, por isso o PS está fora da corrida, com a lista actual claro e o PSD ou apresenta um cabeça credível e com um projecto seguro e aplicável ou então vai pelo mesmo caminho do PS. Agora a minha resposta: Eu sabia que tal votação nos IpT iria acontecer e repara bem, isto na minha óptica de visão da coisa: O PS mobilizou as suas forças no sentido de votarem no Pedro Marques e José Soares, pessoas que o primeiro já por lá passou e os resultados foram os que foram, o José Soares é uma figura da cidade mas como politico não tem capacidades e como dizes e bem as relações com o P. M. não são muito saudáveis, temos a seguir o "OUTRO" com 86 votos, como dizes e bem foi a menor votação das três realizadas, depois a Dra. Graça Costa muito próxima ao "OUTRO". Penso que os tomarenses desejam uma mudança credível e fundamentada e estes resultados não é mais que uma baralhação das contas que na minha opinião foi provocada pelo PSD e PS, não estou a colocar que a votação foi manipulada, mas sim uma votação massiva dos amigos PSD e PS para colocar duvidas no eleitorado, sabendo eles que com o Dr. Pedro Marques na corrida teriam hipóteses de "vencer". Sendo assim, respondo à pergunta que deixei no ar, esta votação não é mais do que o lançar de muitas achas para uma fogueira já bem ateada. Esperemos até as listas finais das forças e cá estaremos para comentar o facto.

oraculo nabantino disse...

Ó Rebelo, francamente, só mesmo tu para acreditar que esta tua sondagem possa ter um mínimo de fiabilidade.

Mas alguém acredita que o Marques teria 345 votos numa coisa destas? Ou pior, que o José Soares teria 150?
Mas como é que não vês o todos vemos, estão a troçar de ti e da tua sondagem! Ou então quem colocou aqueles votos todos no PM devia ter sido um pouco mais modesto...

nunca te explicaram que isto é coisa fácil de falsear? Até a mim que não pesco muito disto já me explicaram como se faz.

No fim destas tuas sondagens, até sinto simpatia pelos socialistas. com tão poucos votos parecem ter sido os únicos que não ligaram nenhuma a isto. E mesmo assim tenho dúvidas.

A fantasia frente ao teclado é uma coisa, a realidade é outra. Como se alguém acreditasse que o Marques pode ser presidente outra vez. Ainda se escolhessem outro candidato, tipo Graça Costa.

E Rebelo, grandes nomes da política local, João Simões e Pedro Vasconcelos? Mas grandes para quem, esse Vasconcelos nem sei quem é!

Ó amigo, aceita um conselho de quem gosta de te ler, aproveita o teu tempo e faz o sabes fazer, que é chamar a atenção para aquilo que vai estando mal, e deixa a análise política porque nesse campo, não sei se é pelo teu umbigo, mas tens a visão muito deficitária.

Bom Natal.

António Rebelo disse...

Pois! Ser tomarense é isso mesmo. Ver o que os outros não vêem, saber o que os outros não sabem, perceber o que os outros não percebem. E sobretudo colocar-se sempre muito acima dos comuns mortais.

Bom Natal!

templario disse...

DE: Cantoneiro da Borda da Estrada

Neste caso, o elevado número de votantes (quantos telefonemas entre amigos!!!) é, de facto, significativo. O Dr. Pedro Marques criou mesmo fortes raízes no concelho. Um caso sério!

Devo confessar que cheguei a insurgir-me contra a campanha desenvolvida contra ele na imprensa local tomarense durante o seu último mandato. Sempre me cheirou a golpe, nunca provaram nada, preto no branco, e não me custa admitir que por detrás dessa campanha de "calúnias" tenha estado um bando de Miguel Relvas, a que outros, por interesses pessoais se juntaram.

Dos políticos locais que tenho ouvido, especialmente através da Radio Hertz, ele é, de facto, o mais político, o mais conhecedor, tem charme, bom raciocínio, pesa bem o que diz, etc..

A sua persistência pode vir a ser compensada pelos eleitores.

Pelo que me apercebo, embora muito subjetivamente, tudo se encaminha para o PSD ganhar as eleições. O PS que se cuide. O PS parece contar com a conjuntura...

Mas não se esqueçam de uma realidade que tem de ser assumida: a esquerda vê consumada a sua derrota no dia em que Cavaco Silva assinar o OE2013. Ele vai fazê-lo!

O PS está à deriva, ganhou horror às Alamedas de Portugal. E o povo já não vai dar o poder de mão beijada a ninguém.

Esta nova situação, e com artigos como o Dr. Hugo Cristóvão, quem vai disputar a vitória em Tomar em 2013, é o Dr. Pedro Marques. Está escrito!

O PS aflige-nos. Até em amplos setores da direita chamam por ele para se defenderem da camarilha que está no poder.

António José Seguro tem que se demitir ou ser derrubado no interior do PS.





Hugo Cristóvão disse...

Caro amigo "Cantoneiro",

como julgo que já terá percebido, independentemente de concordar com elas ou não, aceito e agradeço todas as críticas desde que as compreenda.
Por isso mesmo e, confesso, por me ter deixado curioso, explique-me por favor se não vir inconveniente, o "e com artigos como o Dr. Hugo Cristóvão".
Sabe que se não o quiser fazer em público tem outras formas de o fazer, por exemplo através do meu blogue ou email.
Obrigado.

Cumprimentos a todos, votos de um solidário e fraterno natal.

templario disse...

DE: Cantoneiro da Borda da Estrada

Caro amigo Dr. Hugo Cristóvão,

A maioria dos nossos políticos não são, lamentavelmente, o espelho das suas comunidades, nem dos principais interesses divergentes nelas instalados. Podemos fazer de conta que são. Mas não são! O que vamos tendo cada vez mais são bandos, que pilham a democracia, alienam a política ao povo, destroem o sistema partidário e comprometem os direitos e aspirações dos portugueses. O actual governo é o exemplo disso: não representa os trabalhadores, não representa sequer os interesses da burguesia nacional patriótica. Ouve-os todos os dias a miar? A direita portuguesa não tem um partido que a represente, a esquerda é o que se vê: com maioria parlamentar deslizou para a oposição, como bandos de bárbaros devastadores.

Deslizar! Em Portugal desliza-se. Todas as evoluções na nossa sociedade, num sentido ou noutro, processam-se quase sempre por deslizamento.

Os portugueses são chamados a votar em bandos; daí a dificuldade na escolha. Se penetrássemos nos meandros do funcionamento dos actuais partidos para conhecer os modos e critérios de escolha dos candidatos, perceberíamos então como é possível certas pessoas chegarem ao poder. Mas chegam! Os seus nomes estão lá escritos.

Daí que não concorde com, por exemplo, estas suas palavras no artigo do "Templário":

"A realidade é o que é, a opinião pública é o que é. Aliás, se não fosse, Tomar seria seguramente diferente, que isto é fácil culpar os políticos, mas estes são apenas a escolha e o espelho das comunidades a que pertencem. E em Tomar têm sido escolhidos sempre os mesmos".

Isto não é verdade!

É imperioso responsabilizar os políticos. Um político democrata nunca deve associar o povo à má gestão da coisa pública.

O porquê do tradicional divórcio das elites portuguesas das grandes massas populares é coisa mais profunda, a merecer reflexão dos nossos filósofos. Pessoalmente, tenho uma ideia sobre isso. Mas não vem agora ao caso.

A maioria dos nossos políticos não são o espelho das suas comunidades! Nem a brincar se deve dizer isso. Se Mário Soares lê-se o seu artigo, criticava-o também.

Uma crítica legal...

Cumprimentos.

Bom Natal para si e sua família!