domingo, 29 de novembro de 2009

MAIS MONUMENTOS A AGUARDAR LAVAGEM...




Pois é. Indeciso e angustiado (ver post de ontem), resolvi continuar a busca de monumentos classificados como Património da Humanidade, com a finalidade de verificar se já foram limpos/lavados, a jacto de areia. Uma vez que tal moda surgiu em França, nos anos 6o do século passado, quando De Gaulle criou, pela primeira vez na Europa, um Ministério da Cultura, expressamente para o seu amigo de sempre André Malraux, intelectual, escritor, resistente durante a segunda guerra mundial, combatente nas brigadas internacionais, na guerra civil de Espanha (1936/39), quis verificar se afinal decidiram lavar tudo a eito, ou quase, como se pretende fazer agora em Portugal.
Constatei com satisfação que, pelo menos no sudoeste da antiga Gália, está tudo como dantes. Com a natural pátina dos séculos. As fotos mostram três construções monumentais romanas, do primeiro século da nossa era. Contam portanto mil e novecentos anos, pelo menos. A foto de cima é da Ponte sobre o rio Gard (Pont du Gard) e nela são bem visíveis as marcas do tempo. Felizmente ainda não passou pela cabeça de nenhum responsável, fazer desaparecer o testemunho de 19 séculos de existência.
A ilustração seguinte mostra um detalhe do coliseu de Arles (Arènes d'Arles), que os responsáveis locais utilizam para os mais variados espectáculos, incluindo corridas de toiros. Também aqui, a tal sujidade dos séculos, apesar de bem evidente, não parece incomodar os responsáveis pela conservação do património.
Finalmente, a foto de baixo permite ver um panorama do coliseu de Nîmes (Arènes de Nîmes), igualmente local de diversas manifestações culturais e de corridas de toiros. A cor negra da pedra, provocada pelo aquecimento doméstico, antigamente a carvão de pedra, agora a gasóleo, e pela circulação automóvel, é idêntica à de muitos monumentos franceses, designadamente parisienses, que entretanto foram lavados com areia projectada. Houve porém o cuidado de não experimentar sequer no riquíssimo legado romano na antiga Gália.
Temos assim que, pelo menos até agora, só em Portugal é que o organismo estatal encarregado da conservação e restauro do nosso relativamente pobre património, se mostra incomodado com os sinais do tempo no legado arquitectónico dos nossos maiores. Será a tal comichão provocada pelos abundantes fundos europeus, agora prestes a dar o berro ? Aqui fica a pergunta inocente.

2 comentários:

Alfredo M B Caiano Silvestre disse...

Boa noite.

Na ânsia de lavar/arranjar/cuidar alguém se lembra do Aqueduto dos Pegões?

Anónimo disse...

No final dos anos 90, a Catedral de Notre Dame foi lavada. Doisa anos e meio, a laser...eu assisti.