sábado, 12 de novembro de 2011

Descalabro e protesto corajoso

Foto O Templário
Finalmente, alguém do executivo arranjou coragem para protestar contra um estado de coisas tão lamentável que não prestigia nada nem ninguém. Pelo contrário! Num acto que aplaudo com todo o gosto, pelo que revela de cidadania responsável, o socialista Luís Ferreira é epistolarmente violento contra o presidente da edilidade, mas justo e oportuno. Publicou no seu blogue um protesto demolidor contra o manifesto descalabro que reina no executivo tomarense, assim se prestigiando e honrando os habitantes e a cidade onde nasceu e vive.
"Em Tomar já não se vive em democracia, sendo o poder exercido de forma totalmente autocrática... ...as reuniões de Câmara são uma autêntica "farsa" (teatral), mal dirigida e com os actores desfazendo-se permanentemente em salamaleques fúteis e deslocados no tempo..." Uma tragicomédia, portanto. Pena que o vereador socialista só tenha decidido desabafar ao fim de dois anos de mandato, mas mais vale tarde que nunca.
Resta que regra geral os autocratas tomam medidas socialmente injustas e muito gravosas mas conseguem atingir os seus objectivos. Basta pensar nos casos de Franco e do Botas, para não sairmos da península em que vivemos. Em Tomar também será assim? A autocracia reinante -que a mim me parece mais uma miscelânea de anarquia+autogestão manhosa- em Tomar também estará a ser aproveitada  para "endireitar" a economia local, nomeadamente o seu sector produtivo?
Nem nada que se pareça, indicam dados insuspeitos. O INE (Instituto Nacional de Estatística), organismo estatal que fornece os dados oficiais ao Eurostat, acaba de publicar o estudo do poder de compra por concelho, referente a 2009. Comparando-o com o de 2002, as conclusões são incontroversas e arrasadoras. A evidenciar que quanto mais depressa nos conseguirmos ver livres do actual executivo, melhor para Tomar e para todos os seus habitantes. Menos os que estão sentados nos cadeirões da Praça da República, bem entendido.
Em 2002, o Índice de poder de compra do Médio Tejo era de 81,07% e o da Lezíria do Tejo de 81%. O concelho de Tomar ocupava então a 4ª posição, com 85,64%, nitidamente acima da média da região. À  nossa frente apenas o Entroncamento (126,38%), Santarém (96,15%) e Benavente (95, 27%).
Após sete anos de autocracia paivina, em 2009, enquanto o Indice de poder de compra do Médio Tejo praticamente não evoluiu (81,53%), mas o da Lezíria do Tejo aumentou para 90,14%, em Tomar foi um autêntico descalabro. A economia nabantina regrediu para apenas 79,64%, contra os anteriores 85,64% caindo do 4º para o 10º lugar, no conjunto das duas regiões, que correspondem ao distrito de Santarém. Estão agora à nossa frente, por conseguinte com melhor poder de compra, Entroncamento, PSD, (104,70%), Benavente, CDU, (101,87%), Santarém, PSD, (100,94%), Torres Novas, PS, (93,20%), Rio Maior, PSD, (88,69%), Almeirim, PS, (88,15%), Cartaxo, PS, (88,08%), Abrantes, PS, (86,01%) e Constância, CDU (81,51%). Porquê? Os eleitores tomarenses que têm votado sempre em listas de boas pessoas, mas sem programa, envergadura polítiva, cultura democrática ou económica, farão o favor de responder, se souberem e tiverem humildade e coragem para tanto.

2 comentários:

cantoneiro disse...

Bem que o PS e os Independentes podiam começar a entender-se para as próximas eleições.

Bem que eu queria promover um encontro/almoço com Pedro Marques e Anabela Freitas; todos os esforços têm sido em vão para conseguir contactos: telefone, email, morada e até pelo facebook. Nada. Tentei nos serviços camarários e não os conheciam. Estranho. Um dia destes vou a Tomar e o primeiro deles que encontrar na rua, abordo-o. Mas era preciso que os conhecesse. Tenho uma proposta para eles irrecusável. Desatava o "NÓ". Aposto! Não há por aí ninguém que os chame à razão?
-----------

Ainda ando a magicar na expulsão da carrinha-quiosque do Castelo. Será possível que o Presidente o fez por um conflito pessoal do passado? Ignorando a opinião da vereação?

O Dr. Curvêlo nem parece ser da minha geração, uma geração humanista, solidária, sonhadora, combativa por valores da democracia (também muito idealista), contra práticas ditatoriais e arrogantes. Embora nunca me tivesse esquecido daquela sua ida ao Gualdim Pais com os jovens estudantes universitários de Tomar e depois nunca mais lá pôs os pés. Era o Bruno, o Marujo, o Puga, o Luís Graça, o Faria, o Curvêlo e outros de que já não lembro. Mas o actual presidente arrenegou. Olhou para mim e viu um operário. Julgou que aquilo eram só comunas, mas não eram. Podia ficar descansadinho.De uma coisa tenho a certeza: se por lá tivesse ficado a participar nas cenas que por lá fizemos, teria aprendido muita coisa boa. Garantido. E afianço que agora não poria fora os donos da carrinha-quiosque. Também se poderia dar o caso de nunca vir a ser Presidente da Câmara de Tomar... Estou a exagerar...

Revogue mas é essa sua decisão. O que fez até parece mal. Quantas ilegalidades não sancionou já para satisfazer compadrios? E o povo é que paga! Deixem-nos trabalhar. Há tempos serviram-me lá no morro uma bucha e uma mini.

Virgílio disse...

ACORDAI !...


Enquanto o PS local for dominado por Luís Ferreira, anteontem directamente, ontem através de Hugo Cristóvão e hoje, por via marital,através de Anabela Freitas.

Enquanto os IpT forem tutelados por Pedro Marques e acólitos que dão cobertura e guarida a um projecto de poder pessoal, à revelia e invés dos princípios enunciados em 2005.

NADA DE NOVO a esperar no reino do Relvaquistão.

SÓ COM OUTROS PROTAGONISTAS!

SÉRIOS, EXPERIENTES, CONHECEDORES, COM PROJECTO/DESÍGNIO PARA SERVIR e não para se servirem.

E onde estão esses ? perguntar-me-ão.

Com todo o respeito,

NÃO SEI!


Virgílio Lopes