terça-feira, 3 de janeiro de 2012

NO LABIRINTO NABANTINO PARA TURISTAS E OUTROS VISITANTES

Já lhe aconteceu de certeza, cara ou caro leitor, ter de ir de automóvel a uma cidade que não conhece, mas com determinado objectivo. Pois faça o favor de se imaginar agora na pele de um turista qualquer, que não  sabe falar nem ler português mas, julgando-se na Europa, pensa para consigo que em qualquer localidade do velho continente há indicações padronizadas, de qualidade e conformes com as normas internacionais. A viagem começa em Coimbra e o nosso cidadão-turista decidiu visitar o Convento de Cristo, para conhecer a Janela do Capítulo, que tanto lhe recomendaram como o melhor exemplo da arte manuelina.


Já sabedor desde Vilar Formoso que em Portugal as portagens são de nível europeu, o resto é que nem tanto, você resolve vir pela nacional 110, nalguns troços rebaptizada IC 3. Chegado à primeira rotunda urbana, vê a indicação Tomar e, se soubesse ler português, ficaria decerto a cogitar que utilidade tem ali aquela placa "Recrutamento Militar", com a seta a indicar para a esquerda, quando o quartel fica à direita, mesmo ao lado. Mas pronto, entre as seis placas lá viu uma cuja cor (castanho) indica património artístico, pelo que deduziu que o seu caminho era por aí.


Umas centenas de metros mais à frente encontra duas outras indicações. A tal que lhe interessa, a castanha, com o logotipo "centro" e uma azul com o acrónimo PSD, que deduz ser Partido Socialista Português, apesar da cor.


Um pouco mais abaixo, nova rotunda e outras indicações, que o deixam algo baralhado: para a direita Parque de Campismo, para a esquerda Fátima e Lisboa. Então e a tal placa castanha a indicar o centro? Deve ter fugido, assustada com tanta parvoíce. Sendo o nosso visitante de esquerda, deduziu que o caminho era mesmo por aí, uma vez que não podia seguir em frente.


Teve sorte. A tal que ajuda os audazes. Pelo menos no lema latino audaces fortuna juvat. Lá está outra vez a placa castanha com o logotipo "centro". Mas ficou baralhado com a outra placa, a redonda à esquerda. Afinal para o centro é para a direita, mas como, se é proibido virar à direita? (Está lá a indicação "A veículos de peso superior a 5,5 ton., excepto cargas e descargas", o que, para quem não saiba ler português ou pelo menos castelhano, dá cá um jeito!!!).
Na dúvida, resolveu seguir rumo ao centro. Pensando que se houver azar com a polícia, logo se verá.


Chegado a nova bifurcação é que não teve mesmo sorte nenhuma. Ainda conseguiu lobrigar lá ao fundo, à esquerda, a indicação "Turismo", mas não encontrou sítio para estacionar. De forma que seguiu o seu instinto: na dúvida, quando não se pode ir em frente, optar sempre pela esquerda. E cortou para a esquerda.



Alcançado mais um cruzamento com rotunda, começou pior ficar inquieto, pois não viu qualquer indicação no local onde devia estar -do lado direito antes do cruzamento, em conformidade com as normas europeias. Quando já ia a encostar o carro, vislumbrou as almejadas indicações do lado oposto. Ora até que enfim! Cá temos o Convento de Cristo, com o logotipo "Património da Humanidade". Causticado pelo percurso urbano já feito, suspeitou estar numa terra de parolos e labregos, o que lhe deu ganas de aproveitar a indicação Coimbra, para regressar ao ponto de partida, ou Lisboa, que o resto é só paisagem, conforme lhe disseram uns emigrantes portugueses lá na terra dele.
Esteve vai não vai, até que pensou melhor. -Uma vez que estou em Tomar e já consegui chegar até à primeira placa de sinalização Convento de Cristo, o que não foi tarefa fácil, mais vale aproveitar.


Entrou na Rua da Graça, reparou numa outra placa indicando património, percebeu que se tratava de uvas e, se calhar, de vinho, continuando a rodar rumo ao Convento. Mal ele sabia o que ainda o esperava até conseguir entrar no monumento!
E depois os excelentíssimos autarcas que temos, volta e meia, quando convém, mostram-se muito agastados, porque os turistas são cada vez menos e raramente descem à cidade. Pudera! As informações que os que já cá estiveram lhes dão são cá de uma qualidade!

4 comentários:

FUNICULIN disse...

Com duas entidades de Turismo em Tomar será que os parasitas responsáveis não serão capazes de fazer melhor? Deveriam ter vergonha nas caras quando passeiam pela Corredoura o nosso dinheiro que recebem no final do mês.

Luis Ferreira disse...

Nahhh...

Que o sô inginhêro da LVT, gente arguta e de alto gabarito "opus", não se queda em tão baixo detalhe.

Inda se fora um escritor p'ra enganar...

Tomar Tótó disse...

Na rotunda do Bomjardim (ou Praceta Sto. André)o caso é de polícia: as placas indicativas para Lisboa e T.Novas podem induzir o incauto automobilista a entrar em contra-mão na rotunda, com risco de choque frontal! E não é tão improvavel assim, se for à noite, por exemplo!
Mais um caso que mostra que uma desgraça se abateu sobre Tomar!

António Rebelo disse...

Na verdade as placas indicam Lisboa e Fátima. É o que vale. Assim, Nossa Senhora sempre vai protegendo os aselhas...