sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

ADEUS "TURISMO DE LISBOA E VALE DO TEJO"! OLÁ INOVAÇÃO!


Poderá ser mais uma perda grave para Tomar. Que ainda pode ser evitada. Enquanto as três grandes forças políticas locais se entretêm nuns bizarros jogos florais tipo "um contra dois aos matrecos", "O mundo pula e avança, como bola colorida, entre as mãos de uma criança", escreveu Gedeão no seu célebre poema.
"Não nos cansaremos de procurar o diálogo", assegura Carlos Carrão. "Estamos prontos a dialogar em prol de Tomar, nem que seja com o diabo", asseveram pelo lado do PS. "O PS deve mudar de atitude. Se houver mudança de atitude, os Independentes nunca fecharam o diálogo fosse com quem fosse", garante Pedro Marques. "A oposição boicota a câmara por razões políticas", declara Carlos Carrão. "O PSD nunca quis dialogar e o caso ParqT só passou no executivo com a conivência dos Independentes", afirmam os socialistas. "O PS é tão responsável pela situação como o PSD, uma vez que estiveram coligados durante estes dois anos", acusam os Independentes. Só recriminações. A culpa é sempre dos outros.
Desde há anos grande senhor na política tomarense, e agora também no âmbito Governamental, Miguel Relvas não deixou os seus créditos por mãos alheias. Em entrevista ao MIRANTE, respondendo a três perguntas à primeira vista bastante incómodas, deu uma excelente lição de política e de comunicação política eficaz. Autêntica águia política entre frangos de aviário já descabeçados. 
Em relação à ainda recente ruptura da coligação PSD/PS: "Hoje não acompanho de perto essa questão política. Preocupa-me, mas não tenho tempo."  Sobre Carlos Carrão enquanto presidente da câmara: "É uma pessoa que conhece os problemas, tem experiência, é humilde e sabe ouvir. E está a demonstrar que quer dialogar. Tem todas as condições para ser um excelente presidente da Câmara Municipal de Tomar." Questionado sobre se o actual modelo de organização do turismo se vai manter: "Não. Vai ser extinto. O modelo das regiões de turismo está esgotado. Quem tem que gerir o turismo são os empresários do sector. O Estado tem de acompanhar. Quem faz o turismo não são as organizações onde estão ex-autarcas. A acção do Turismo de Lisboa e Vale do Tejo, por exemplo, é risível e nós em Portugal temos obrigação de apostar mais no turismo. O modelo em que me revejo é o do turismo de Lisboa, em que está o público e o privado." (O MIRANTE, 05/01/12, pág, 22/23.
Se na eleição primária do PS, em 2009, eu tivesse vencido. Se depois tivesse ganho as autárquicas, outra seria agora a posição de Tomar. Conforme referi depois e por diversas vezes, tenho um plano para Tomar, que inclui naturalmente o turismo, o nosso principal recurso. Esse plano prevê outra forma de organização, mais adequada aos novos tempos e agregando outras entidades locais num modelo inovador. Mas a história não se faz com SES e as coisas são o que são. Ainda se houvesse intercalares, como venho insistentemente reclamando... Agora assim, o melhor será continuarem a divertir-se em jogos florais reles. O que tem de ser, tem muita força e eu nunca vi nenhum pessegueiro a dar nozes.

8 comentários:

Virgílio disse...

CITANDO:

"Desde há anos grande senhor na política tomarense, e agora também no âmbito Governamental, Miguel Relvas não deixou os seus créditos por mãos alheias. Em entrevista ao MIRANTE, respondendo a três perguntas à primeira vista bastante incómodas, deu uma excelente lição de política e de comunicação política eficaz. Autêntica águia política entre frangos de aviário já descabeçados. "

FIM DE CITAÇÃO...

Agora, pergunto eu aos leitores desta casa:

Sendo o dito cujo "Desde há anos grande senhor na política tomarense, e agora também no âmbito Governamental.";

Sendo até "Autêntica águia política entre frangos de aviário já descabeçados.";

Sendo ainda Presidente da Assembleia Municipal há 14 anos;

HÁ ALGUÉM MAIS RESPONSÁVEL DO QUE ELE PELO DESCALABRO A QUE CHEGÁMOS ?

HÁ ?

QUEM ?


Com todo o respeito,

Virgílio Lopes

FUNICULIN disse...

Não me digam que o dito sr. engenheiro (letra minúscula) sem o ser, como gosta de ser chamado, de Lisboa e Vale do Tejo vai para o desemprego. Não acredito. Arranjará outro tacho. O que faria o sr. engenheiro sem o ser, no desemprego aqui por Tomar? Irá para algum festival de cinema? Irá ser assessor de Lobo Antunes? Irá aborrecer elementos do cortejo da Festa dos Tabuleiros?

Tomar Tótó disse...

O encantamento do autor do blogue pelo sr. Relvas, prossegue. É um mistério que talvez a prazo se esclareça. Fala aqui diariamente na desgraça tomarense e agora diz que Relvas "é desde há anos grande senhor da política tomarense". Em que ficamos? A não ser que seja um grande senhor porque montou o burrico chamado Tomar, usou o pessoal de mão que lhe convinha, enganou sucessivamente os tótós tomarenses que não perceberam que figuras destas nada têm para dar a não ser conversa (ainda por cima pobre). Ser político é promover o progresso das populações, tentar construir um futuro melhor. O que temos de herança do "grande senhor"? Fábricas e lojas fechadas, desemprego, serviços publicos deslocados para fora de Tomar,falta de poder de compra, fuga dos jovens e dos mais capazes e temos ainda...portagens nas estradas. Mesmo num tempo dos xicos-espertos, ser grande senhor é mais do que enriquecer sem nada fazer e ser dirigente sem nehuma ideia ter.

Luis Ferreira disse...

Vamos ser muito honestos na abordagem, sem pessoalizar no Menor que armou a fantochada do escritor, para retirar impacto ao Festival bons sons, considerado por ele perigosamente "de esquerda" e que contava com forte apoio da Câmara (turismo e cultura).

O modelo de promoção local, ganha hoje uma dimensão mais próxima do conceito "comissão de iniciativa e turismo". Os recursos locais, ao nível de um Municipio da dimensão de Tomar, são os suficientes para dar suporte e divulgação, para mercados específicos pré-selecionados. Podem resultar num investimento à roda dos 100-150 mil euros anos, para um conjunto de 6-10 eventos ancora/ano. O resto, ao nível dos fins de semana anuais, de preferencia que ocupe os 25/ano, deve resultar da iniciativa associativa/privada e Tomar tem essa produção/know how.

O produto turístico local, deve ser claramente assumido pelos privados, que terão de juntar diversos concelhos, iniciativas e conceitos, nunca por uma entidade tipo LVT ou Turismo Municipal. A este, no nosso caso, caberá essencialmente a missão de coordenação, facilitação e recepção e encaminhamento de individuais/grupos mais ou menos organizados. Como eu costumava dizer: saber receber e motivar para voltar brevemente.

Ora neste contexto, sinceramente, com uma boa estratégia, presença institucional em feiras e junto de grandes operadores de in-coming, aposta em destinos específicos/temáticos, Tomar não precisa nada de uma LVT. Precisa de estratégia, continuidade,determinação e disponibilidade. Precisa de um pouco do que demos em 2010, com mais eficácia naturalmente.

Não precisa, seguramente de convencidos, pedantes e armados ao pingarelho, como escrevi sobre a "peça" que armou a confusão do escritor, no verão de 2010.

Toda a grande promoção, do destino Portugal, deve ser assumido a um nível muito mais geral, a exemplo aliás do que Espanha faz há mais de vinte anos.

Finalmente sobre a LVT, já há mais de uma década que não serve os interesses de Tomar, logo podia e devia há muitos anos estar extinta.

templario disse...

DE: Cantoneiro da Borda da Estrada

O Sr. "Tomar Tótó", fugindo inteligentemente ao secundário, concentra-se no que é essencial e está à vista de todos. Faz todo o sentido o seu comentário, não se deixando enredar por questões laterais. O Sr. Virgílio é também certeiro.

O que é absolutamente extraordinário é a cobardia e escancarada cumplicidade (por omissão), reveladas no comentário do senhor ex-vereador, acobertando um dos maiores inimigos da democracia portuguesa, grande responsável pela perda de protagonismo de Tomar nos últimos 15 anos, e do próprio Partido Socialista, como demonstrou nas últimas Legislativas, ao usar da mentira e calúnia porcas, para além de ter conseguido enredar o PS local num emaranhado de cumplicidades políticas, ao ponto de, acreditando no que foi dito já neste blogue, ter "apoiado" através do PSD, a candidatura dos Indp´s de Tomar para prejudicar o PS; acresce ainda o facto de ter levado o PS para o executivo e,assim, comprometê-lo nos insucessos do concelho, a troco não se sabe de quê.

O ex-vereador parece ser um grande admirador do Dr.Miguel Relvas e está no seu direito.

O senhor ex-vereador esquece-se que não só foi burlado por ele como burlou o PS e os tomarenses, bem expresso, primeiro, numa coligação sem pés nem cabeça, segundo, numa demissão de cargos do executivo sem qualquer ponta de alternativa credível assegurada, desobstaculizando, assim, caminho, para uma sucessão na Câmara à moda monárquica, como aqui foi bem dito por um comentador (ou pelo autor do blogue, não me lembro).

O Dr.Miguel Relvas não tem tempo para seguir a vida política tomarense, mas sobra-lhe para uma entrevista ao "Mirante" com todos os recados sobre o seu futuro político.

Parece estar seguro de que tem bons capatazes no terreno para os trabalhos de que não pode acupar-se.

O Sr. Luis Ferreira é galifão perante o "Menor", mas agacha-se perante o "Maior". Porquê?

Virgílio disse...

Ó Coiso...disfarçado de sábio,

O Vasco Lourenço e o Arnaut é que te topam.

A ti e aos teus comparsas do Centrão dos negócios, arranjinhos e falcatruas.

Incluindo o "de Faria", ordenança do "mano" Relvas e vice do teu amigalhaço Rosa do Céu da LVT que te arranjou tacho na Câmara de Alpiarça.

Com tôdo o respêto,


Na ausência de Virgílio Lopes :

O Adjunto.

Luis Ferreira disse...

Penso que pelo que escrevi, ficou clara a minha posição sobre a Região de Turismo hoje designada de Lisboa e vale do Tejo, antes dos Templários: é inútil há mais de uma década. Já era um nado morto quando Relvas foi seu Presidente e com ele finou-se.

E deixem de insistir nessa dos tachos, muito ao agrado dos neo-fascistas do burgo, que como já toda a gente sabe já estava na função publica há anos antes de ter vindo, por transferência, para o meu local de trabalho actual.

Por mais que repitam a mentira, misturada com a inveja típica dos fracos de espirito e covardes, acantonados atrás de aditivos vários e de jaguares reais e imaginados, ela terá sempre de mim a mesma actuação: denuncia e combate permanente.

Sou insuspeito de quaisquer conivencias com os interesses à volta de certa gente que se "resolve", de protecção às "máfias da especulação imobiliária" ou aos interesses neo-liberais, representados por uma pequena parte, hoje liderança, do PPD local.

Basta ler tudo o que tenho escrito e que desde 2003 está disponível na minha página pessoal vamosporaqui.blogspot.com, para se saber bem o que penso sobre quase todos os temas.

Quantos políticos, hoje no activo em Tomar, poderão dizer o mesmo? Aliás, sobre os resultados que todos eles conseguiram no exercício das suas actividades políticas, o que sabem? Pois...

Como dizia há alguns anos o Guterres: é a vida.

Percebo bem o desespero que vai nalgumas "casas" de "bom berço" neste momento. Mas se estavam à espera de facilidades desenganem-se. E ainda a procissão vai no adro.

Com um triplo voto de justiça, honra e progresso para TODOS, incluindo aqueles que ainda insistem, debalde, em me tentar atacar em lugar de atacar os problemas.

Virgílio disse...

Ó COISO dos "bons costumes",


No meio destas tachadas/boyzadas todas, diz lá quando é que tiveste um intervalo para "entrar" na função pública :



Breve curriculum. Súmula política: Vereador Câmara de Tomar(2010-Turismo/Cultura/Prot.Civil; 2011-Prot.Civil;2012-13 sem pelouro); Deputado Municipal(2005-09,1994-97); Adjunto do Governador Civil de Santarém (2005-09); M:.M:.GOL; Dirigente Distrital PS-Santarém desde 1996; Presidente PS-Tomar, 2004-05; Assessor do Governo Civil Distrito de Santarém (Assuntos Regionais e Imprensa) 1998/00; Membro Comissão Nacional PS, em representação da JS, 1993/98; Membro Comissão Política Nacional do PS, em representação da JS, 1992/94; Membro Direcção do Conselho Nacional de Juventude (Pelouro Relações Internacionais), 1993-94; Membro Direcção das JS Europeias e Forúm Europeu da Juventude, 1993 -94; Membro Secretariado Nacional da JS (Relações Internacionais e Ensino Superior), 1992-94; Membro fundador do Partido Socialista Europeu, Congresso de Haia, 1992; 1ºMembro Socialista eleito para Comissão Municipal de Juventude da Câmra Lisboa, 1991; Membro Comissões de Candidatura de Mário Soares e Jorge Sampaio; Membro Comissão Nacional da JS, 1984/87 e 1990/94; Militante do PS, desde 28/4/1983.


E, já agora, diz a data do concurso público, a composição do júri, a classificação que tiveste e qual(is) o(s) Diário(s) da República em que tudo foi publicado.

E, se não for muita maçada, diz quanto tempo trabalhaste como "funcionário público" em cada serviço por onde estacionaste.

E, ó Coiso, essas enfadonhas tretas da "inveja", tiradas da "CARTILHA" dos boys e correlativos, já não grudam.
Muito menos tiradas sobre fascistas ou neo-fascistas.

TU deves é saber umas coisas sobre NANO-fascistas.

O teu passado e o teu presente não te abonam. Toda a gente sabe (sobretudo dentro do PS) que és um exemplar de catálogo do "cafageste", do "jagunço" político, do oportunista, do carreirista, do intriguista, do mamão.

TU, tal como o "mano" Relvas, gostas de exercer o poder por "interposta pessoa".

E não perdes tempo, nem brincas em serviço.

O Hugo fartou-se e mandou-te "pastar". Não perdes-te tempo, nem foste "de modas" ou de riscos.

Puseste lá a tua "Evita".

Olha se não fosses "um homem de bons costumes"...

Quase parecias o remoque nabantino do "Querido Líder"...

Podes escrever o que quiseres, podes simular o que não és nem nunca foste, podes "cagar todas as loas". Jamais terás qualquer credibilidade.

TU estás como aquele mentiroso compulsivo que, episódicamente, até pode dizer uma verdade. Ninguém te leva a sério.
Tens a desvergonha estampa na "fronha".
És como o algodão...

TU és daqueles que o íntegro António Arnaut ainda hoje denunciou perante o país e que, segundo ele, deviam ser expulsos de um Movimento que na sua génese e praxis teve altos valores democráticos e humanistas.

TU és um dos entraves, um dos bloqueios ao progresso de Tomar.

TU és parte grande do PROBLEMA.

Nunca da SOLUÇÃO !!!

Por isso, desmascarar-te é discutir e atacar um dos grandes problemas de Tomar.

E deixa-te de tretas.

RESPONDE às questões que hoje aqui te coloco sobre a tua "entrada" e a tua "carreira" na função pública.

Quanto mais não seja, em nome dos BONS COSTUMES, dos autênticos.

NÃO FUJAS "aos encartes".


Sem desfalecimentos, em prol da sanidade pública,


Virgílio Lopes